featuredreviews

Escola de Surf do Bananinha na Piscina de Ondas do Kelly Slater para o Caldeirão do Huck.

Há 18 anos ensinando o caminho das ondas para crianças e jovens só cobrando frequência e boas notas na escola, Leandro Elias o Bananinha depois de receber em sua Escolinha algumas visitas do Campeão Mundial de Surf Adriano de Souza O Mineirinho, vê o seu trabalho no Projeto “Educar para a vida”  ser conhecido e reconhecido  Nacional e Internacionalmente através do apresentador Luciano Huck que ao ter conhecimento da história de vida do Bananinha e sua Escolinha, veio conhecer  e achou digna de ser contada para todo o mundo no seu programa Caldeirão do Huck.

Nas redes sociais o apresentador posta algumas coisas que vão acontecendo durante as gravações para o quadro de seu programa no qual Bananinha irá participar, como a chegada surpresa dele no Projeto e gravações no  Surf Ranch (Situado na California – EUA), Famosa Piscina de Ondas do 11 vezes Campeão Mundial Kelly Slater.

Por @saritaporton

Seguem algumas fotos divulgadas nas Redes Sociais:

Leandro Elias assistiu in loco Gabriel Medina e Felipe Toledo serem Campeão e Vice na final da Primeira Etapa Oficial da WSL realizada em uma Piscina de Ondas. Luciano Huck continuou no dia posterior ao termino do evento no Surf Ranch com Bananinha, o ator Wladimir Brichta, o locutor oficial da WSL Strider Rasberry  e o dono da onda Kelly Slater para gravar uma bateria histórica na vida do Bananinha que realizou no seu sonho o sonho de todos os seus alunos e também da maioria dos surfistas de surfar a Onda Perfeita em uma Piscina sonhada, projetada e realizada pelo maior surfista de todos os tempos Kelly Slater.

Documentárioreviews

Imbitua 70 E TAL

A cidade de Imbituba completou no dia 21 de junho de 2018,  60 anos  de emancipação e para celebrar seu sexagenário vamos rever o início da  história do surf nos mares imbitubenses com esse belo documentário exibido em um dos episódios da série 70 E TAL produzida e exibida pelo canal OFF. Se você já viu, vale a pena ver de novo e se não viu, dá o play e viaje agora para IMBITUBA na década de 70.

 

reviewssession

“Você no Blog” com Jeferson Carvalho

Nome: Jeferson Carvalho
Idade: 36 anos
Cidade: Imbituba – Zimba
Minha primeira prancha de surf ganhei com 9 anos de idade, pois foi detectado um problema de crescimento acelerado ósseo onde a recomendação médica naquela época era fazer vários tipos de esportes. Eu jogava bola na CME de imbituba, meu tio me levava para a praia para surfar com ele, mas meus amigos não tinham prancha, então eu só ia quando ele me levava.  Andava de skate nas ladeiras de calçadas (no buraco do rimsa e na decida do colégio), por que as ruas eram de barro ou de paralelepípedo, vivia todo lanhado rsrsrs.
Ao 12 anos alguns amigos ganharam suas pranchas e começamos todos a ir juntos para a praia. Parecia uma gang, tinha uns que não tinham cordinha pegávamos a mangueira do chuveiro e amarrava com corda de varal. Quando caia da prancha na espuma da tatuíra só faltava arrancar o pé.
Dessa época para frente aprendi a surfar, pegar as paredes, varar a rebentação no castelinho e a nadar. Nadar só para me salvar, se fosse para salvar alguém  morria os dois (risos).
Depois que aprendi a surfar, todos os dias eu saia correndo da escola com meu amigo Alexandre (Pulga), e íamos pegar onda no castelo, podia estar frio, chovendo, ventão, as vezes até de ressaca, mas tínhamos que ir pegar nem que fosse um espumerão.
Logo começamos a surfar junto com a galera do paes leme, poi eles surfavam la na frente do Araçá. (Sarda, Barte, Borges, Muriel, Charles, Diego de Bordyboard).
Dai para frente o surf era tudo, só não matei aula (como alguns…) para surfar,  mas rezava para algum professor faltar para eu correr para a praia.
Aos 13 anos corri meu primeiro campeonato, 1º Fico de Surf Collegeo que era por equipes, escolas contra escolas, na praia da Joaquina em Florianópolis.
Bateria de 10 minutos com 4 atletas e cada um tinha que pegar 3 ondas, Flávio (carioca) foi o primeiro a entrar e quase estourou o tempo, quando entrei estava difícil de varar a rebentação e peguei as espumas para somar e para dar tempo para os outros entrarem também para pontuar.
Dai para frente comecei a participar das competições, até 2005.
Mas como não tinha ajuda e nem incentivo para ir participar das competições, comecei a focar nos estudos e no trabalho, deixando os campeonatos para traz. Participo até hoje quando convidado ou por empolgação de competir com meu amigos de infância, há e se não atrapalhar com o meu horário de trabalho.
Tenho 14 títulos em casa, cado um deles eu lembro dos perrengue que passei para conquistá-los.
Dormi em barracas improvisadas, passei fome por que chegava no camping comia todo o rango de tanta fome por caminhar alguns km com prancha, mochila e barraca nas costas.
Ia de carona ou com o palanque da associação no caminhão por que não tinha como ir nos campeonatos, ai ajudava a montar o palanque.
Cada competição era uma história divertida, fora as festas do campeonato que era só pra rir,  e o mais irado dos campeonatos era surfar as ondas diferentes, ou quando chegava nas competições o mar estava com um tamanho, algumas baterias principalmente quando era no rosa norte, tinham vários WO, a pois a gurizada amarelava geral (risos).
Hoje em dia pratico mais o free surf somente nos finais de semana, salvo os dias de semana que consigo pegar um final de tarde com ondas, graças estar de volta em minha zimba, pois fiquei de 2003 há 2015 morando no norte do estado de Santa Catarina, e agora moro novamente onde nasci.
O surf para mim é paz, alegria, reencontro com os amigos, não vivo mais sem, apenas alguns dias, se não fico doente.
Surf é diversão garantida!
Alohaaaa.
Segue registros feitos pelo fotógrafo Francisco Oliveira da session com boas ondas que rolou na Praia do Cardoso em Laguna em um sábado desse verão de 2018.
By Jeferson Carvalho.
reviews

A Pequena Sereia “Filha do Mar” Gabi Rosa

Aos 9 anos de idade, Gabi, Gabizinha ou Gabi Rosa, como é chamada,  é a mais nova surfista da Zimba, e por onde passa esbanja simpatia e muito talento. Ainda não largou as bonecas, mas o seu brinquedo preferido é a sua prancha de surf,  e  a sua maior diversão é participar e curtir muito os bons momentos durante os campeonatos. Como qualquer criança, Gabi estuda, brinca com as amiguinhas, conversa no celular, assiste televisão, mas o surf veio preencher ainda mais a sua rotina, que junto ao seu pai Rodrigo, seu técnico e grande incentivador, vivem juntos a magia do esporte. Neste último fim de semana (24 e 25/02) Gabi participou pelo segundo ano consecutivo de um grande evento, o Circuito Adriano de Souza, realizado na Praia da Joaquina em Florianópolis, evento idealizado pelo próprio atleta da elite mundial “o Mineirinho”, que contou com a participação de experientes atletas de base de vários Estados, como São Paulo, Paraná, Rio de Janeiro e Santa Catarina. A atleta imbitubense competiu na categoria Sub 12 Feminina, onde conquistou a 5ª colocação, pegando boas ondas, somando ótimos pontos no circuito e divertindo-se muito durante os dois dias de evento. Rodrigo, pai da surfista imbitubense e seu maior suporte durante os eventos, deixa o seu contato a disposição, para quem se interessar em apoiar/patrocinar a atleta. Gabi é comunicativa, simpática e muito vaidosa, adora fotos e garante boas imagens pra quem se interessar em apoiá-la. Contato: (48) 99901 3396.

By Rodrigo Rosa.

Categorias

Facebook Posts

Unable to display Facebook posts.
Show error

Error: Error validating application. Application has been deleted.
Type: OAuthException
Code: 190
Please refer to our Error Message Reference.